quarta-feira, novembro 29, 2006

Passagem de Ano 2006_2007 - Programa





Convívio de Natal - Programa











Nus Meios (espectáculo e documentário)-Projecto (R)EXISTIR



Projecto (R)EXISTIR no Cine Teatro Avenida
Castelo Branco
3 de DEZEMBRO. 06 - domingo
16:00 Nus Meios (espectáculo e documentário)


O CENTA apresenta a peça Nus Meios criada pela coreógrafa portuguesa Filipa Francisco com os reclusos dos Estabelecimentos Prisionais de Castelo Branco no âmbito do Projecto (R)existir , resultado de um processo iniciado há cinco anos partir de uma residência artística . Estreado no passado dia 26 de Novembro em Lisboa, no Teatro Camões inserido no ciclo "Como Tu e Eu”, com grande sucesso, apresenta-se agora na região centro.

(R)EXISTIR
2006
Projecto de Formação Contínua de Dança-Teatro
no
Estabelecimento Prisional de Castelo Branco

Sinopse
Aqui construiremos as nossas casas! in Underground, de Emir Kusturica (realizador)
Usa a tua cabeça como fonte de abrigo! Nuno Marcelino (recluso/aluno do EP)
A coreógrafa Filipa Francisco concebeu, a pedido do CENTA, o ateliê pedagógico “Riso” para população escolar de Vila Velha de Ródão e Castelo Branco, a partir do projecto artístico com o mesmo nome, no âmbito da residência artística que realizou, em 2001, ao longo de dois meses no CENTA. Vários professores e alunos deslocaram-se para frequentar este ateliê, mas a professora de música, Marta Mourão, da Escola do Estabelecimento Prisional de Castelo Branco, apesar de inscrita, não o podia fazer com as suas alunas. Elas não podiam sair. Então, a coreógrafa e a sua equipa, os actores Joana Bárcia, Francisco Campos, Jorge Cruz e a bailarina Paula Castro, deslocaram-se ao EP.
Foi este o encontro fundador do projecto (R)EXISTIR, que se repete desde então, mercê dos esforços conjuntos de Filipa Francisco, do CENTA e do E.P. De formação artística pontual, o projecto transformou-se progressivamente em formação contínua, integrando a secção masculina e conquistando um espaço de apresentação pública fora do E. P. de Castelo Branco. (R)EXISTIR tem como objectivos a promoção da criatividade e a reflexão sobre a relação entre a arte e a vida, contribuindo, desta forma, para o desenvolvimento pessoal e interpessoal dos reclusos. Em 2005, o projecto mereceu, por parte do Ministério da Cultura, o estatuto de Interesse Cultural e o trabalho realizado ao longo do ano, ”Mais peças para rir e chorar”, foi apresentado no Museu Francisco Tavares Proença Júnior de Castelo Branco e no E.P. da Covilhã. Este ano, graças aos apoios do Projecto “Ser Dona de  a ” da Liga Portuguesa de Profilaxia Social e das estruturas profissionais de dança, Jangada de Pedra e C.N.B., foi possível criar uma equipa pluridisciplinar para desenvolver o trabalho.
Em 2006, com o desafio da apresentação no Teatro Camões, realizada no dia 26 de Novembro, no âmbito do Ciclo Como Tu e Eu, o grupo de participantes do projecto ®existir decidiu trabalhar sobre o espectáculo “Nu Meio”, de Filipa Francisco e Bruno Cochat, apresentado desde 1996, fazendo seu todo o material coreográfico, canções e textos, e inventando, a partir deles, novas personagens. “Nus Meios” é sobre um conflito entre um homem e uma mulher que se refugiam no fado e no maldizer. Esta peça foi criada em conjunto, num processo de partilha e de descoberta. E como os processos de trabalho neste projecto são muito importantes, no dia da apresentação no Teatro Camões, realizou-se também uma conversa sob o tema: “criação e reclusão”, no sentido de contextualizar o projecto (R)existir, abordando temáticas ligadas aos processo criativos. No dia 3 de Dezembro, no Cine –Teatro Avenida, esta conversa não existirá, mas no final da apresentação, que terá inicio às 16h, os participantes no projecto estarão disponíveis para conversar com o público. No dia 15 de Dezembro, será feita uma outra apresentação, desta vez não aberta ao público em geral, dentro do Estabelecimento Prisional de Castelo Branco, inserida na festa de Natal do E.P.
3 de Dezembro
Cine-Teatro Avenida
.
“Nus Meios”
16h00 (60m.)
Apresentação do espectáculo “Nus Meios “ (baseado em “Nu Meio” de Filipa Francisco e Bruno Cochat) e do documentário, realizado pelo João Pinto, sobre o processo de trabalho, criados no âmbito do projecto (R)EXISTIR.

Direcção artística e interpretação: Filipa Francisco
Co-criação e interpretação: Bárbara Carvalheiro, Estrela Sampaio, Liliana Pires, Olga Vale, Sónia Cardoso, Luís Agrelos, Carlos Graça
Colaboração e interpretação: Bruno Cochat
Direcção de ensaios e interpretação: Maria Belo Costa
Figurinos: Ana Real
Música tocada ao vivo: Rita Amaral Nunes
Documentário: João Pinto
Luzes: Ricardo Madeira e Pedro Fonseca
Fotos: CENTA
Produção: CENTA
Co-produção: CNB/Teatro Camões e Jangada de Pedra
Parcerias: Estabelecimento Prisional de Castelo Branco.
Financiamento: CENTA; Projecto Ser Dona de  a  (promovido pela Liga Portuguesa de Profilaxia Social).
Agradecimentos: Graça Passos, Dra. Ângela Portugal, Aldara Bizarro, Mark Deputter, Elizabete Paiva, à EQUIPA DO EPCB-EPRCB, Váatão TEATRO, Câmara Municipal de Castelo Branco
Ficha Artística e Técnica do Projecto (R)EXISTIR
Concepção e coordenação: Filipa Francisco
Produção executiva e monitora do projecto: Maria Belo Costa
Outros Monitores do projecto: Margarida Mestre e Susana Alves
Participantes: Bárbara Carvalheiro, Estrela Sampaio, Graciete Flores, Liliana Pires, Olga Vale, Sónia Cardoso, Luís Agrelos, Ricardo Gil, Carlos Graça, Filipe Almeida, Rafael Ribeiro, Luisa Canhoto, Marisa Maia, Paula Fonseca, Cátia Domingues, Maria da Luz, Ana Lúcia Henriques, Aurora Reis, Lucia Ribeiro, Cátia Marisa, Odete Costa, João Paulo Cruz Correia, Helder Alegria, Paulo Alexandre Conceição, Maria da Luz Ximenes, Ângela Monteiro, Fernanda De Sousa, Lucia Coutinho, Maria Rosario Santos, Rosa Ferreira, Carmen Ramirez, Vasco Rosário, Mafalda Nóvoa, Ana Caldaras.
Produção: CENTA



quarta-feira, novembro 22, 2006

Jornal Informativo nº08/2006

Assembleia Geral Ordinária no Grupo de Amigos de Vilas Ruivas
APROVADO O PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2007
Perante cerca de meia centena de associados, o Grupo de Amigos de Vilas Ruivas reuniu-se em Assembleia Geral, para a apresentação, discussão e votação do Plano de Actividades, bem assim como do Orçamento para o ano de 2007.
O documento, distribuído antecipadamente a todos os associados presentes, foi explicado pelo presidente da Associação, Jorge Manuel Cardoso, e votado a favor por unanimidade. Destaque para a verba de 60.000 euros inscrita nas obras de melhoramentos da associação, explicada pelo presidente, e que se destina á reconstrução do piso superior e do logradouro. Jorge Manuel Cardoso, explicou a permanência dessa verba no sentido de que “ as obras estão previstas, e só podem seguir em frente quando existirem verbas para o efeito”, adiantando ainda que “ não podemos avançar assim de qualquer maneira, e há que manter os pés bem assentes no chão”.
No segundo ponto da ordem de trabalhos, discutiram-se alguns assuntos prementes relativamente ao funcionamento da Associação, nomeadamente aos horários de abertura. De uma maneira geral, os presentes desejam que tudo funcione como está a funcionar até ao momento, ou seja, que dentro da medida das possibilidades de cada um, a Associação esteja aberta diariamente o mais tempo possível. Jorge Manuel Cardoso, relembrou que “ aqueles que vão mantendo a Associação aberta, organizaram uma escala de trabalho, sendo que, e por vezes, devido aos afazeres de cada um no dia a dia , nem sempre pode ser cumprida, mas sempre se tem aberto a Associação dentro das possibilidades existentes”, adiantando ainda que “ todos têm feito um trabalho exemplar, dos que estão na escala e das senhoras da aldeia, que têm sido exemplares em manter sempre a Associação cuidada e estimada”.
O Tesoureiro do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, Acácio Rei, relembrou que “é fundamental que mais gente trabalhe em prol da Associação, dando mais tempo disponível aos eventos que se vão organizando durante o ano, porque os que cá estão, e embora venham fazendo o trabalho e colaborando, por serem sempre os mesmos, já vão denotando algum cansaço, como eu” , daí que, Acácio Rei, lançasse o repto de mais gente se juntar á Direcção para trabalhar em prol de todos”, facto reforçado também pelo presidente da Associação, que lançou também esse repto e a compreensão de todos, o qual foi bem aceite pelos presentes.
Relativamente a outros assuntos de interesse geral, novamente os associados presentes, manifestaram a urgente resolução por parte da Câmara Municipal e Junta de Freguesia de Vila Velha de Ródão, do problema da água que se consome em Vilas Ruivas durante o Verão, bem assim como a entrada/saída sul da aldeia, onde se torna “num bico de obra” manobrar qualquer veículo, devido á perigosidade do local.
A este facto, Acácio Rei relembrou ” que já esteve presente na Assembleia Municipal onde manifestou estas e outras preocupações existentes na aldeia, e que as mesmas foram bem aceites com a promessa de que “ o assunto não seria esquecido”.
Facto que também mereceu destaque pela positiva, foi a intervenção no âmbito da recuperação verificada no Castelo, uma obra que deixou orgulhosos todos os presentes.
Em conclusão, foi uma Assembleia Geral bem participativa, á semelhança daquelas que se vão realizando no Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, onde democraticamente são expostos os vários problemas, não só da Associação, mas também da população da aldeia.

Em dia de São Martinho...
MAGUSTO LEVOU ANIMAÇÃO A VILAS RUIVAS
Embora muita gente aproveitasse os ricos dias de sol, que se fizeram sentir em Vilas Ruivas, para continuarem na apanha da azeitona, o que é certo é que poucos faltaram ao Magusto organizado pelo Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, e que contou com o apoio da Junta de Freguesia de Vila Velha de Ródão.
Em pleno São Martinho, a partir das 16,30 Horas, a boa castanha assada e a boa água pé, complementados com a boa bifana, foram os ingredientes necessários, para uma óptima tarde de convívio entre cerca de uma centena de associados, naturais e amigos da aldeia de Vilas Ruivas. Se juntarmos a isto tudo, a boa música popular do Grupo da Associação, “Os Quintarolas”, que animou tudo e todos com o seu vasto reportório, conclui-se que todos saíram satisfeitos com mais esta iniciativa promovida pelo Grupo de Amigos de Vilas Ruivas.

Festas de Natal e Passagem de Ano já estão a ser preparadas.
ADIVINHA-SE FESTA RIJA EM VILAS RUIVAS
À semelhança dos últimos dois anos, o Grupo de Amigos de Vilas Ruivas vai levar a efeito mais uma festa de passagem de ano, a realizar na sua sede social.
Face ao êxito dos anos anteriores ( sempre com sala cheia), a direcção do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas volta a organizar a festa de passagem de ano, com uma ementa bastante tradicional, que passa pelo bom bacalhau assado na brasa para o jantar, leitão de Negrais e o já célebre caldo verde da meia noite, entre as boas entradas regionais e doces tradicionais da época.
O jantar está marcado para as 20,30 Horas, e as inscrições podem ser feitas na sede social da Associação, ou através dos telefones: 967090436 e 960043364, reservadas prioritariamente aos associados, familiares e população da aldeia de Vilas Ruivas.
Para animar a noite, o Grupo de Amigos de Vilas Ruivas volta a apostar nos DJ´S Kacilda e Mouse, que, e aliás, têm sido os animadores de serviço em anos anteriores, com o vasto reportório, com música de dança para todos os gostos.
Mais uma vez, as gentes de Vilas Ruivas se unem, no sentido de terem uma noite de fim de ano bastante animada e de agradável convívio entre todos.
Também para a quadra natalícia, a Associação local leva a efeito mais uma iniciativa, que passa pelos dias 23 e 24 de Dezembro.
Dia 23, pelas 14.30 horas, realiza-se a primeira parte da “ida aos madeiros” para a fogueira de Natal, repetindo-se a “dose” no dia 24 no mesmo horário. É a recuperação de uma tradição da nossa região, e em particular também, do que se verificava na aldeia em tempos não muito distantes.
No dia 23 de Dezembro, a partir das 18.00 Horas, será servido um lanche convívio a todos os associados, naturais e amigos da aldeia de Vilas Ruivas.
Ao final da tarde de dia 24 de Dezembro, será ateada a fogueira de Natal no largo principal da aldeia, e se acontecer o mesmo do último ano, essa mesma fogueira prolongar-se-á até ao dia de Ano Novo.

Acidente mortal na Passagem de Nível das Vilas Ruivas
A PERIGOSIDADE DO LOCAL É EVIDENTE

O acidente que se verificou no início do mês de Novembro, na passagem de nível das Vilas Ruivas, e que infelizmente, originou uma vítima mortal ( um nosso vizinho dos Montes do Arneiro), obriga-nos, mais uma vez, a chamar a atenção para a perigosidade do local. Se bem que quem vem do lado das Vilas Ruivas numa viatura ligeira de passageiros, o estrado de madeira existente na passagem de nível está á vista de todos, o mesmo não acontece de quem vem do lado da ponte sobre o rio Tejo. Mas mesmo assim, quem vem do sentido de Vilas Ruivas, se não tiver o cuidado necessário, está sujeito ( como aconteceu....), a que o carro “derrape na estrada” e vá parar á linha do comboio...e depois...aí torna-se muito complicado sair de lá. Por outro lado, e para quem vem do lado da ponte sobre o Tejo, devido á subida íngreme existente, só consegue orientar-se na via, quando chega mesmo perto da passagem. É verdade que ali não se pode circular com uma velocidade excessiva, e que, para além disso, a passagem de nível está em funcionamento automático, mas também...um descuido ou uma precipitação...todos a podem ter, e pode causar uma tragédia, como, e infelizmente, foi o caso.
Tudo isto para dizer que, se a Refer tem “em mente” acabar com todas as passagens de nível existentes nas vias férreas nacionais, é bom que comece pelas que realmente se apresentam como as mais perigosas. E infelizmente, a das Vilas Ruivas, é uma delas. Disso não haja qualquer dúvida!!!.

terça-feira, novembro 14, 2006

Sites Turísticos

Aldeias do Xisto: São 23 aldeias espalhadas por vários municípios do Pinhal Interior. É um território de uma enorme beleza natural, rico em património e que oferece infinitas possibilidades de lazer.

Municípios: Arganil, Castelo Branco, Figueiró dos Vinhos, Fundão, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Oleiros, Pampilhosa da Serra, Penela, Sertã, Vila de Rei, VIla Velha de Ródão, Castanheira de Pêra, Mação, Pedrógão Grande, Proença-a-Nova.

Aldeias: Casal Novo, Talasnal, Cerdeira, Aigra Nova, Aigra Velha, Gondramaz, Chiqueiro, Candal, Ferraria S. João, Casal S. Simão, Pedrógão Pequeno, Álvaro, Janeiro de Baixo, Janeiro de Cima, Barroca, Fajão, Pena, Benfeita, Comareira, Martim Branco, Sarzedas, Foz do Cobrão, Água Formosa.


NATURTEJO:
Nascida do espírito de união e da partilha de objectivos, a Naturtejo é a entidade que promove o turismo na região integrada pelos concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão. Da Raia à Beira Interior, passando pelo Pinhal Interior até ao Alto Alentejo, este é um território de elevado potencial turístico e com inúmeros factores de atracção. Por ser uma região vasta mas homogénea, a Naturtejo oferece uma grande variedade de produtos turísticos, tendo como mais-valia comum a natureza e as excelentes infra-estruturas. Tudo para satisfazer as necessidades e exigências de todo o tipo de visitantes.

Gozando de uma excelente localização e acessos, a Naturtejo abre-lhe os horizontes e oferece-lhe mais de 5000 Km 2 de terra para descobrir. Apure todos os seus sentidos e deixe-se surpreender. Veja o que esta região tem para lhe mostrar, ouça o que as gentes têm para contar, sinta as marcas que o tempo foi deixando, delicie-se com os aromas que se desprendem da paisagem e saboreie cada momento como se tivesse todo o tempo do mundo.

Neste site encontra uma selecção do melhor que a Naturtejo tem para oferecer. Para além do que lhe damos a conhecer, há muito para descobrir. Deixe-se cativar por esta região e desvende toda a sua beleza. É natural que se surpreenda com tudo o que o espera. Na Naturtejo vive-se de forma plena e quem vem de fora fica para sempre cá dentro. Dentro do coração deste povo, na memória desta terra que quem conhece, não esquece. Porque quem vem, volta sempre.


VISITCENTRO:
Estamos a trabalhar para que muito rapidamente possa ter informações acerca do Centro de Portugal. Em todo o caso, queira consultar a nossa oferta em Aveiro, Bairrada, Coimbra, Viseu, Serra da Estrela e Tejo Internacional onde encontrará informação sobre alojamento, férias activas, golf, hipismo, restaurantes, agências de viagens, regiões de turismo e outra informação turística.