terça-feira, dezembro 29, 2009

FESTA DE PASSAGEM DE ANO CANCELADA NO GRUPO DE AMIGOS DE VILAS RUIVAS

Devido ao falecimento de José Mendes da Rosa, a Direcção do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas decidiu cancelar a Festa de Passagem de Ano 2009/2010, pelo que aqui fica a informação.

FALECIMENTO



Faleceu esta noite em Vilas Ruivas, de doença prolongada, o Sr.José Mendes da Rosa, com 64 anos de idade. Casado com a Sra D. Rosa, era um "homem da aldeia", afável e amigo do seu amigo.

Deixa em nós uma eterna saudade. O funeral realizou-se hoje, pelas 16.30 horas, de Vilas Ruivas para o cemitério de Vila Velha de Ródão, com grande acompanhamento.

Á família enlutada, os nossos mais sentidos votos de pesar.

MAU TEMPO NAS VILAS RUIVAS FEZ ESTRAGOS

O mau tempo que se fez sentir nas duas últimas noites em Vilas Ruivas acabou por fazer estragos. A chuva que caiu ininterruptamente durante as duas noites, inundou terrenos, desabamentos de terras e entupiu canalizações existentes. A parte mais visível estava mesmo perto da aldeia com a zona do Alagão inundada de àgua. Também a estrada de ligação a Vila Velha de Ródão sofreu com estas intempérides, verificando-se desabamentos de terras para a via, além de se terem verificado quedas de àrvores na mesma via.

Na ponte sobre o Rio Tejo, observámos uma corrente nada habitual no rio, que cobria a ilha existente na Fonte das Virtudes e alagava a zona do Enxarrique. Soubemos mais tarde que as barragens espanholas começaram a descarregar face às grandes precipitações e enxurradas verificadas nos últimos dias e que aumentaram o leito do rio.

Também as barragens do Fratel e de Belver abriram as comportas, prevendo-se vida difícil para a Zona da Lezíria nos próximos dias.

NATAL: A TRADIÇÃO CUMPRIU-SE APESAR DO MAU TEMPO




A tradicional fogueira de Natal que todos os anos se realiza no Largo Principal da Aldeia de Vilas Ruivas, mais uma vez não foi esquecida.


Este ano, com menos gente na aldeia do que é habitual, acenderam-se os madeiros pelas 16 horas, cumprindo-se assim a tradição secular existente na Aldeia de Vilas Ruivas.



PASSAGEM DESNIVELADA SUPERIOR NA ESTAÇÃO DE RÓDÃO: OBRAS JÀ COMEÇARAM







Orçamentadas em cerca de um milhão e seiscentos mil euros, as obras da passagem aérea na Estação da CP de Vila Velha de Ródão já tiveram o seu início. O prazo previsto de conclusão das mesmas aponta para final de Abril de 2010. A Refer pretende assim terminar com a passagem de nível existente na sede do concelho, dando uma maior segurança à população.

quarta-feira, dezembro 16, 2009

PASSAGEM DE ANO NO GRUPO DE AMIGOS DE VILAS RUIVAS

Estão já abertas as inscrições para Associados, familiares, naturais e população de Vilas Ruivas para a Passagem de Ano 2009/2010 no Grupo de Amigos de Vilas Ruivas.

Inscrições: Manuel Carmona
Telemóvel: 96 780 63 30

Ou na Sede Social do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas

JORNAL INFORMATIVO DA ALDEIA DE VILAS RUIVAS

( Foto da década de 60 extraída agora da Internet)



HISTÓRIA DA FONTE DAS VIRTUDES

Hoje deixamos aqui uma breve história da Fonte das Virtudes, em Vilas Ruivas, extraída da internet, por investigadores que no início do novo século por ali passaram, recolhendo informações junto da população de Vilas Ruivas.
Uma história rica, de um local paradisíaco a sul das Portas de Ródão. Um local que bem poderia ser mais desenvolvido para fins turísticos do concelho de Vila Velha de Ródão, e que a cada dia que passa, se vai esquecendo um pouco por todos nós, que por ali passámos a nossa infância, quer em lazer, quer em actividades desportivas e também de pesca desportiva.

Um local simplesmente paradisiaco que merecia que olhassem para ele com “olhos” de futuro, pois é um local com todas as condições para um turismo da natureza de qualidade.
É também uma pequena “achega” ao nosso município para se poder fazer ali algo de interesse ou de lazer ao serviço de toda a população do nosso concelho...e não só.
Registámos alguns trechos dessa investigação e de recolha de dados e de informação que foi feita e que está publicada agora na internet, ao serviço e consulta de todos os rodanenses.

Indicações da Fonte das Virtudes.

Reumatismo e dermatoses

"Cá há anos um indivíduo, aqui o chefe da estação de Vila Velha, da estação da CP, apareceu-lhe uma alergia no corpo, o homem foi para Coimbra, foi para Lisboa, fartou-se de correr médicos e mais médicos e estava sempre na mesma. Até que houve alguém que lhe disse para ir à Fonte das Virtudes, que ao fim de pouco tempo isso estava tudo seco. Ele assim fez, acimentou aquele tanque, que está lá arranjadinho, limpou aquilo bem, e vinha ali todos os dias dar banho.Eu vi-o lá ao fim de uma temporada e perguntei-lhe: 'então como vai isso agora?'. Ele respondeu: 'Isto foi uma maravilha, já passou tudo, já nem tenho as borbulhas'.
Aquela água é uma maravilha para o fígado (informante:).

Tratamentos/ caracterização de utentes

Actualmente não é utilizada, mas no local havia várias casas que “davam banhos” .
“Antigamente era mais para banhos, agora é só para beber”, segundo um informante. A água a que se refere esta afirmação é a da “Biquita”, que não é uma água sulfúrea, nem parece ao paladar ter nenhuma característica especial.

Instalações/ património construído e ambiental

No início da década de 70 foi construída a barragem do Fratel, e a sua albufeira fez subir as águas do Tejo para montante das Portas de Ródão. Em Montes de Vilas Ruivas, as margens eram ocupadas por um extenso areal que formava uma praia fluvial, bastante concorrida. “Chegavam a juntar 150 pessoas por dia”. Além de servir como praia fluvial, o local servia também para banhos terapêuticos.

A Fonte das Virtudes é ou era uma água sulfúrea sódica, que nasce à temperatura de cerca de 24º.No local da antiga emergência existe uma propriedade murada, “a casa do engenheiro”, onde se vê uma piscina de razoável dimensão. Junto do extremo nascente do muro há uma bica de água, que o proprietário deixou para serventia pública. Para poente da propriedade, no meio de um afloramento rochoso, há uma poça de água, completamente coberta de silvas, de acesso difícil, da qual corre para o Tejo um ligeiro caudal de água. Á esquerda desta poça e numa cota ligeiramente superior, uma pequena casa, a única que resta das casas dos banheiros. Mais para poente encontra-se um tanque que serviu a banhos.

“Aquilo era um caudal assim [forma com as mãos um circulo correspondente à secção de uma manilha de 20 cm]. Foram umas termas muito boas", afirma o informante.Se essa emergência não estiver submersa pela albufeira, será fácil de adivinhar onde se encontra esse grande caudal, já que os dois que estão fora da propriedade são pequenos fios de água.

Natureza

Sulfúrea sódica / 20 e tal º (Calado. 92)”“Ela nasce morninha, quer de Inverno quer de Verão esta sempre igual”. (informante)"Parece que vem a ferver, até deita fumo. Ela sai e divide-se em duas, vai para uns tanques e vai para aquela piscina. Desta tem uma torneira que vai para o Tejo, e a outra vai para um tanque no meio das silvas.
É mal empregado estar a ver aquela água ir fora, quando há tanta gente com necessidade de tomar banhos nela. (informante).

Historial

No Aquilégio (1726) a fonte é assim descrita: "No monte de Vilas Ruivas, termo da Vila Velha de Rodam, comarca de Castelo Branco, está uma fonte a que chamam das Virtudes. E se é pelas que se experimentam na sua água, está bem posto o nome.. Ela nasce tão quente que não se pode beber. O seu mineral de enxofre, que o cheiro e o calor mostram. Há experiências de que as pessoas que tem sarna se curam lavando-se com esta água. Porém não terá só esta virtude, senão que os seus banhos serão como os mais sulfurosos, que nos números acima temos falado, e servirão para os mesmos usos.”

Acciaiuoli só a cita pelo Aquilégio (“Nasce tão quente que não se pode beber”, V, 1944) e o mesmo acontece com a descrição de Dias (1951. Figura no mapa de Calado (1992) No site de Vila Velha de Ródão aparece uma pequena referência nas informações sobre turismo com o seguinte texto: “Fonte das Virtudes – Fonte de água mineral termal, que pelo seu fraco escoamento não é comercializada. Antigamente curavam-se aqui doenças de pele e outras.

Pela sua proximidade ao rio, trata-se de um local de bucólica beleza”.Este antigamente não é muito longínquo, pois remota à década de 1970-80, aquando da construção da barragem de Fratel, cujas águas da albufeira submergiram a praia fluvial, e talvez mesmo as nascentes, embora a sua emergência principal se possa encontrar dentro da propriedade murada. O desaparecimento da praia fluvial representou a decadência do próprio local e também da vizinha Vilas Ruivas, que actualmente conta com 56 habitantes.

Na aldeia "já não nenhuma loja, dantes neste largo eram cinco lojas, agora já não há nada” (informante). A venda mencionada por um dos informantes deve localizar-se no final da década de 80 ou início da seguinte: “Aquilo há uns anos foi vendido e as pessoas que lá vão de férias… está a ver, fizeram uma casa com muro a toda a volta, com uma rede para as pessoas não passarem.”O local é um imponente cenário, com os abruptos afloramentos rochosos das Portas de Ródão a abrirem-se no horizonte na continuidade do espelho de água formado pela albufeira.

Facilmente se imagina como seria antes da barragem. A descida íngreme termina na passagem subterrânea ao caminho-de-ferro mas devia continuar a descer até uma cota bem mais inferior, onde um extenso areal se cobria barracas de veraneantes, gentes rurais dos distritos de Castelo Branco e Portalegre, uns em lazer, outros em banhos curativos.

Alojamentos

Nos tempos da praia fluvial, alugavam-se quartos em casas dos “banheiros” e acampava-se no areal“Dantes quando aquilo era uma praia, era lá que ficavam as pessoas, tinha umas casitas, ou faziam barracas lá no meio daquele areal."
"Havia lá pessoas a viverem, as pessoas que davam os banhos, agora só ficou lá uma casita, mas havia mais.”(informantes).

INFORMAÇÃO RETIRADA DA PUBLICAÇÃO EM: www.aguas.ics.ul.pt

Bibliografia consultada:

Acciaiuoli 1944, Dias 1951, Henriques 1726


Foi em clima de grande festa a despedida do antigo Chefe dos CTT de Vila Velha de Ródão



“ O SENHOR ACÁCIO JÁ ESTÁ REFORMADO”

Os dois pisos da sede social do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas tornaram-se pequenos para a festa de despedida de Acácio Rei, antigo Chefe da Estação dos Correios de Vila Velha de Ródão. Mais de uma centena de convivas juntaram-se à mesma mesa para uma deliciosa peixada oferecida pelo senhor Acácio.

Ao longo de cerca de 40 anos, Acácio Rei percorreu várias serviços e estações dos CTT em Lisboa, tendo no início do novo século assentado arraiais na estação dos CTT de Vila Velha de Ródão, como chefe de estação, passando a residir em Vilas Ruivas, terra Natal dos seus pais.

Em 2004 foi um dos elementos fundadores do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, constituindo a primeira direcção do Grupo, sob a presidência de Jorge Manuel Cardoso, também ele fundador e sócio nº 1 do Grupo de Amigos da Aldeia, dando essa primeira direcção um impulso e uma dinamização extraordinária, decisivo para o avanço da Associação que é já um marco no concelho de Vila Velha de Ródão, numa obra feita quase em tempo record e que lá está à vista de todos.

Nesta festa onde o amigo Acácio juntou amigos e colegas de longa data, estiveram também representados a Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, através do Vice-Presidente, Luís Pereira, também ele com raízes em Vilas Ruivas, a Presidente da Junta de Freguesia de Vila Velha de Ródão, Adelaide Caçador, entre muitas outras pessoas e individualidades bem conhecidas do nosso concelho.

Foi uma festa bem bonita, de grande e saudável convívio, que se realizou no último fim-de-semana de Outubro.
Ao amigo Acácio, desejamos toda a sorte deste mundo, felicidades e muita saúde nesta sua nova vida, e que goze bem a merecida aposentação.

MAGUSTO NO GRUPO DE AMIGOS DE VILAS RUIVAS

Realizou-se no fim-de-semana de 1 de Novembro, o já habitual Magusto do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, que juntou associados e população da aldeia para saborear a boa castanha assada, a boa água pé e geropiga.
Uma tarde de grande convívio e animação no Largo Principal da Aldeia, como já vem sendo hábito nas organizações da Associação, no arranque de mais uma safra a apanha da azeitona.

FESTAS DE NATAL E DE ANO NOVO NA ALDEIA DE VILAS RUIVAS

Estão aí as Festas Natalícias e de Ano Novo nas nossas aldeias, sinónimo de reunião de famílias que por esta quadra se juntam à mesma mesa, comemorando a quadra. As idas aos madeiros, a fogueira no Largo Principal da Aldeia de Vilas Ruivas, faz já parte da tradição secular da aldeia.

Este ano a tradição vai manter-se, esperando-se que muita gente demande a aldeia á procura das boas e felizes tradições que ainda se vão mantendo. O Natal passado na aldeia tem efectivamente outro sabor, onde tudo é mais tradicional, e onde buscamos as nossas raízes e cultura passadas de gerações em gerações.

Para as comemorações de Ano Novo, o Grupo de Amigos de Vilas Ruivas vai levar a efeito a sua já habitual passagem de ano destinada aos associados, familiares e população da aldeia, e cujas inscrições podem ser feitas directamente na sede do Grupo.
O Grupo de Amigos de Vilas Ruivas aproveita esta quadra natalícia para desejar a todos os associados, familiares, naturais e demais população da aldeia, um FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO DE 2010, com muita saúde, prosperidade e felicidade.

terça-feira, dezembro 01, 2009

Almoço "Leitão de Negrais"


Almoço Convívio "Leitão de Negrais"

Domingo, 6 de Dezembro 13h00

Sede do G.A.V.R. - Vilas Ruivas

Inscrições: Manuel Carmona

Telemóvel: 96 780 63 30