segunda-feira, março 24, 2008

ASSEMBLEIA GERAL DO GRUPO DE AMIGOS DE VILAS RUIVAS E RESCALDO DA QUADRA PASCAL PASSADA NA ALDEIA

ASSEMBLEIA GERAL DO GRUPO DE AMIGOS DE VILAS RUIVAS
CONTAS DE 2007 APROVADAS POR UNANIMIDADE


Realizou-se no pretérito dia 15 de Março, a Assembleia Geral do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, para aprovação das Contas de 2007, para além de outros assuntos de interesse para a Associação.

Com o parecer favorável do Conselho Fiscal, foram aprovadas as Contas da Associação Grupo de Amigos de Vilas Ruivas relativamente ao ano de 2007, bem assim como o relatório de actividades e Orçamento para o ano de 2008, tendo na votação deste último, existido apenas uma abstenção.

O Presidente da Direcção, Jorge Manuel Cardoso, explicou aos presentes todos os pormenores sobre as Contas de 2007, salientando como ponto mais importante, “ o pagamento de todas as dívidas existentes”, bem assim como a apresentação de cerca de 10 000 euros de consolidado para futuros investimentos na sede da Associação, principal objectivo desta Direcção. Investimentos que passam pela conclusão das obras no piso superior da sede da Associação, bem assim como obras no logradouro para benefício de toda a aldeia de Vilas Ruivas, de onde se destaca um forno e churrasqueira comunitária.




Sobre o estado financeiro da Associação, Jorge Manuel Cardoso adiantou aos presentes “ que felizmente esta Associação já demonstrou que tem pernas para andar, e a continuar assim, brevemente teremos as obras em marcha, que é o que nos falta. Passo a passo e seguros, estamos em crer que durante o ano de 2009 teremos as obras em marcha, desejando que ainda seja durante este nosso mandato que termina em Março de 2009, ou o mais tardar, durante o Verão do próximo ano”.

Sobre o futuro da Associação, o Presidente do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, referiu que “ a minha vida profissional está em Lisboa, e gostaria de ver mais gente à frente dos destinos da Associação. O trabalho mais difícil está feito, a partir daqui, quem vier tem tudo para fazer um bom trabalho em prol da Associação e da Aldeia. Pela minha parte, e se alguém desejar formar uma lista para as próximas eleições, estou cá para continuar a ajudar naquilo que posso e sei. Se não existir nenhuma lista, não vou deixar cair esta nossa Associação que tanto trabalho nos deu a formar. Mas neste momento desejaria entregar a Associação a outros sócios, a outra possível Direcção. Podem contar comigo, mas desejo que surjam alternativas a esta Direcção, pois somos poucos, e sei que muitos deles, pelos seus afazeres profissionais, estão cansados, embora seja gratificante, assistirmos a abertura da Associação aos sócios todos os dias, sem falhas, de há três anos e meio a esta parte”, adiantou Jorge Manuel Cardoso, enaltecendo ainda “ a dedicação de todos os elementos que trabalham em prol da Associação e da Aldeia, fazendo com que este projecto seja um êxito absoluto”.

O actual Tesoureiro, Acácio Rei, referiu que “também estou um pouco cansado, já que estamos cá há três anos e meio, e neste momento, o meu desejo também é dar lugar a outros”, acrescentou.

Já o Secretário, João Albino António, referiu que “ se o nosso Presidente sair da Direcção, eu vou sair com ele, pois foi com ele que eu entrei”, tendo o Presidente do Conselho Fiscal, José Pereira Corrreia, adiantando que “ ainda é muito cedo para se decidir quem sai e quem entra, e que é necessário dar prosseguimento à obra e mantermos bem viva a nossa Associação como até aqui “.

Interpolado sobre os apoios das entidades autárquicas, nomeadamente da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia, o Presidente Jorge Manuel Cardoso, explicou que “ em termos financeiros apenas recebemos a comparticipação dos 20% da compra da sede por parte da Câmara Municipal, bem assim como um apoio logístico para as obras efectuadas, tendo a Junta de Freguesia na pessoa do saudoso “Sr. Eurico Mota”, disponibilizado tijolos e paletes de cimento. Talvez esperaria mais na atribuição de alguns subsídios camarários à nossa Associação, inclusivé por parte da Adraces, mas eles nunca chegaram. No entanto, a Câmara tem-nos apoiado de outra maneira, e não nos podemos queixar dessa parte, esperando também que nos apoie já no próximo dia 14 de Junho no I Grande Encontro Nacional de Grupos de Música Popular e Tradicional Portuguesa, a realizar aqui na nossa aldeia, por altura da III Edição da Festa da Sardinha, não em termos financeiros, mas em termos logísticos, como a montagem e desmontagem de palcos”, acrescentou ainda o Presidente da Direcção do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas.




Interpolado sobre os custos deste evento para a Associação, Jorge Cardoso referiu que “ os custos vão ser mínimos, pois o Rui Marques e o nosso Grupo “Os Quintarolas”, estão a estabelecer protocolos com esses Grupos para virem cá actuar de uma forma gratuita. Por parte da Associação, os custos serão as refeições a dar a todos os Grupos, a electricidade que se vai gastar, e as licenças especiais para este tipo de eventos. Custos perfeitamente ao alcance da nossa Associação”, acrescentou.

Sobre este Encontro de Música Popular em Vilas Ruivas, Jorge Cardoso referiu ainda que “oportunamente será dado conhecimento de todo o programa do evento, sabendo-se apenas que terá início pelas 18.00 Horas, do dia 14 de Junho de 2008, em simultâneo com a III Edição da Festa da Sardinha”, apelando ainda a todos aqueles que desejem assistir a este Encontro, que façam a sua inscrição antecipada no Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, já que o Largo Principal da Aldeia tem um número limite de lugares disponíveis nesse dia.


QUADRA PASCAL LEVOU MUITA GENTE A VILAS RUIVAS
UMA ALDEIA CHEIA DE MOVIMENTO.







Nesta quadra Pascal, foram muitos os naturais da Aldeia de Vilas Ruivas que disseram presente.

Já há muito tempo, excepção feita às Festas em Honra de Nossa Senhora do Castelo e a algumas iniciativas promovidas pelo Grupo de Amigos de Vilas Ruivas, que não víamos a aldeia de Vilas Ruivas com tanto movimento.

Na realidade foram famílias inteiras que se deslocaram à aldeia para ali passar esta quadra Pascal, dando um extraordinário movimento às ruas da aldeia e à vida associativa do Grupo de Amigos de Vilas Ruivas.

Estamos em crer que este ano se bateram todos os recordes de presenças nesta Quadra Pascal, numa aldeia que teima em manter-se “branquinha e tradicional”, com muitas habitações reconstruídas e outras construídas de novo. A este propósito, preparam-se mais obras de construção e reconstrução na aldeia, daqueles que, embora estando longe, querem manter-se umbilicalmente ligados a Vilas Ruivas.

Também uma empresa do ramo imobiliário ficou maravilhada com as potencialidades da aldeia de Vilas Ruivas, e já se pôs em campo, para tentar ajudar ainda mais a “lutar” contra a desertificação, fazendo para já, um estudo de mercado, sobre a compra e venda de propriedades, bem assim como possíveis novas construções. Definitivamente, Vilas Ruivas caminha com passos seguros para um futuro ainda mais risonho.



FALTA DE PRESSÃO DE ÁGUA DEIXA POPULAÇÃO Á BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS
TOMAR BANHO DE ÁGUA FRIA EM VILAS RUIVAS


As constantes quebras na pressão da àgua, deixaram a população de Vilas Ruivas é beira de um ataque de nervos. E com razão, já que, e devido ao elevado número de habitantes e naturais da aldeia presentes em Vilas Ruivas nesta Quadra Pascal, a pressão da água era mínima, não dando sequer para tomar banho de água quente. A pressão nas torneiras era manifestamente insuficiente para que os esquentadores funcionassem, não restando outra alternativa, do que tomar banho de água fria, o que diga-se, nesta altura do ano, não é nada agradável.

Esta é uma situação que já vem atormentando a população de Vilas Ruivas a alguns anos a esta parte, e para a qual, ainda não existiu qualquer solução. Esquentadores que se avariam, falta de pressão nas torneiras, canalizações danificadas fazem com que a população de Vilas Ruivas se veja em dificuldades. Este foi um ponto de acesa discussão na aldeia, com muito descontentamento à mistura para a falta de soluções para a grave situação que se vai verificando nas torneiras de cada habitação.

É para já um aspecto que urge em resolver, pois mais uma vez se confirmou a falta de pressão nas torneiras, levando muita gente a ter que tomar banhos de água fria.

OBRAS NA ZONA ENVOLVENTE AO CASTELO E ERMIDA DE NOSSA SENHORA DO CASTELO
ROMARIA DE CENTENAS DE VEÌCULOS NESTA QUADRA PASCAL






Numa excelente obra desenvolvida pela Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão – honra seja feito a este executivo Camarário - , a zona envolvente ao Castelo e Ermida de Nossa Senhora do Castelo está a ganhar contornos de espectacularidade. Com a previsão final das obras para o próximo mês de Abril, aquela zona ex-libris do nosso concelho, serviu uma vez mais, para que centenas e centenas de veículos ali se deslocassem durante a Quadra Pascal, com inúmeros conterrâneos e turistas a fiacarem deslumbrados com o local e com as obras feitas.

Finalmente que se fez luz ao fim de tantos anos de pedidos, denúncias e reportagens sobre um local que até então estava condenado á destruição. Este elenco Camarário está de parabéns pela aposta feita, dando uma nova face ao local, e mais importante do que isso, preservando os nossos valores históricos e culturais. A população rodanense está agradecida por esta actuação em força num local considerado para muitos, como a sala de visitas de Vila Velha de Ródão. Parabéns Dra Maria do Carmo Sequeira pela obra feita.

Apenas uma consideração sobre os futuros estacionamentos. É que no dia 15 de Agosto, dia de Nossa Senhora do Castelo, são centenas e centenas de veículos que ali se deslocam para a Missa e Procissão em Honra de Nossa Senhora do Castelo. Parece-nos que não vão existir muitas mais alternativas de estacionamento, a não ser que, se abram novos estacionamentos nos terrenos adjacentes à estrada de ligação à zona. Uma situação que poderá levar a alguma confusão nesse dia 15 de Agosto.